ExpoZebu terá nova modalidade de julgamento

ExpoZebu terá nova modalidade de julgamento

triozebuinos

A nova modalidade está sendo preparada e o julgamento dos Trios Zebuínos a Campo terá sua estreia no Parque Fernando Costa, em Uberaba/MG, na mostra de 2016.  para as raças de corte

O julgamento dos trios zebuínos a campo terá estreia na mostra de 2016 para as raças de corte.

O concurso já tem regulamento e objetivo definidos para contemplar também, na principal mostra realizada pela ABCZ, os projetos de seleção de raças de corte que priorizam as avaliações genéticas e os sistemas mais próximos das condições naturais de criação de bovinos, praticados na maior parte do território nacional. “Esse julgamento foi instituído para somar. A pista desafia o potencial genético dos animais ao máximo, ao controlar as condições nutricionais e ambientais, isolando muitas variáveis que interferem na bovinocultura. O método de avaliação dos animais a campo vai introduzir e destacar dentro das atividades da ExpoZebu os méritos dos modelos de seleção desenvolvidos em sistemas que privilegiam a utilização de pastagem ou semi-confinamento e representam a pecuária moderna fomentada pela entidade”, explica o presidente da ABCZ, Luiz Claudio Paranhos. Ter o julgamento de animais a campo simultâneo e complementando a pista tradicional é uma tendência já assimilada na raça Brahman e na pecuária das áreas subtropicais. Na região Sul do Brasil esse sistema de avaliação morfológica com lotes de contemporâneos é muito difundido. Tradicionais cabanheiros que conhecem as duas modalidades, pista e campo, acreditam que esse modelo vai agregar valor ao trabalho dos zebuzeiros. “Eu acho muito interessante esse julgamento. Aproximar o animal chamado de ‘elite’ da maioria do rebanho é importante. Todo pecuarista quer um reprodutor pronto para o serviço e esse animal não pode ser muito preparado ou muito pesado. No julgamento de rústicos não temos a obrigação da vitória, mas temos o desafio de mostrar a evolução do nosso trabalho de criação. Nós respeitamos os resultados de uma seleção campeira porque ela mostra a qualidade dos animais para a reprodução”, diz o criador Eduardo Linhares, da GAP, criatório dissidente da tradicional Cabanha Azul, fundada há mais de 100 anos em Quaraí/RS.

Existe também a vantagem institucional. Uma boa pontuação no julgamento de rústicos no Sul chama a atenção do mercado para o plantel e ajuda a esquentar o clima para a temporada dos leilões de primavera. “É uma prática muito usada no Sul e em países das Américas, inclusive nos EUA. Nesse tipo de concurso, o criador pode mostrar a genética do plantel em grupos maiores, situação que dá mais segurança para saber se a genética é superior. Há também as vantagens comerciais da valorização do rebanho e da redução de custos. Qualquer um pode apartar um lote, mandar para um potreiro de capim nativo e dar um pouco de ração. A modalidade também dispensa a doma e a atenção integral de uma equipe especializada. É muito mais barato e acessível aos selecionadores, inclusive aos novos que são tão competitivos quanto os tradicionais. Acredito que o julgamento vai dar muito certo para o zebu, pelas condições de naturalidade da criação”, explica o selecionador Antônio Martins Bastos Filho, da Cabanha São Bibiano, de Uruguaiana/RS.

Já Eduardo Soares, da Estância Carcavio, de Santana do Livramento/RS, garante que o processo além de dinâmico, traz ganhos comerciais e institucionais. “A cabanha tem 22 anos e há 12 participamos das pistas de rústicos. Nosso objetivo inicial era submeter nossos conceitos de criação à comparação com o trabalho de outras cabanhas e ao maior número possível de jurados, para saber se o rumo que escolhemos é o melhor para a evolução do rebanho. É muito difícil ter uma boa dupla e ainda mais um trio de animais homogêneos e diferenciados. É uma arte conseguir um trio bem preparado para a pista, mas que não exceda no peso a ponto de se distanciar de um animal que estaria no campo. Eu integro o conselho técnico da minha associação e as recomendações aos jurados são para que ele veja no curral o mesmo tipo de touros e vaquilhonas que estariam no pasto e prontos para serem largados na reprodução natural. Um bom resultado no ranking de rústicos vai credenciando a cabanha no mercado. E o comprador que vem no leilão desejando o trio pontuado também quer as irmãs e os irmãos”, define Soares.

O julgamento de Trios Zebuínos a Campo na prática

Os criadores que quiserem participar do julgamento de Trios Zebuínos a Campo da ExpoZebu terão o período de 20/01 a 31/03 de 2016 para fazer as inscrições, prazo que, no caso de haver disponibilidade de vagas, pode ser estendido até 08/04, com preferência para os expositores já inscritos.  Os interessados deverão preencher formulários específicos no Departamento de Genealogia da ABCZ. O procedimento poderá ser executado ‘on line’ ou na sede da entidade, em Uberaba-MG. A taxa de inscrição e aluguel do curral é de R$ 525,00 por lote. Cada expositor poderá inscrever até 3 lotes para a competição. Os lotes serão compostos por no máximo 4 animais – sendo que 1 dos integrantes do grupo é considerado substituto e para a disputa apenas 3 podem ser apresentados. Todo animal concorrente precisa ter registro genealógico na categoria PO (Puro de Origem) e estar listado nos arquivos do SRGRZ em nome do expositor. De todos os trios será exigido que os pais tenham avaliação genética positiva, em programas oficiais de melhoramento genético, classificados entre os 50% (cinquenta por cento) superiores, prevalecendo para essa definição o índice adotado pelo programa. Os trios podem participar das seguintes categorias:

     

1-Bezerro e Bezerra: de 08 até 12 meses de idade.

2- Macho de sobreano e Fêmea de sobreano: de mais de 12 até 16 meses.

3- Garrote e Novilha: de mais de 16 até 22 meses.

4- Tourinho e Fêmea Jovem: de mais de 22 até 27 meses.

Os ganhos em peso diários máximos admitidos para que os animais participem de qualquer atividade deste julgamento serão tabelados por categoria. Veja os índices máximos (em gramas):

Bezerro 1.100

Bezerra 1.000

Macho Sobreano 1.000

Fêmea Sobreano 900

Garrote 900

Novilha 800

Tourinho 800

Fêmea Jovem 700

*será admitida uma variação de mais 5% nos valores indicados.

Os ganhos em peso diários serão calculados tendo como referência a média de peso ao nascer da respectiva raça, por sexo, a idade em dias calculada na data-base do evento e o peso oficial aferido no evento. Os machos com idade a partir de 22 (vinte e dois) meses, de todas as raças, devem ter atestado de exame andrológico e as fêmeas, da mesma era, inclusive as doadoras de embriões, precisam confirmar prenhes ou estar com bezerro de até 8 (oito) meses ao pé. Os proprietários poderão providenciar os exames na origem ou no momento da admissão no Parque Fernando Costa. As demais definições e normas que vão reger o julgamento poderão ser consultadas no espaço da área técnica dentro do site www.abcz.org.br e também serão oportunamente editadas e publicadas, na íntegra, na revista ABCZ.

Para o superintendente Técnico da ABCZ, Luiz Antonio Josahkian, a nova modalidade de julgamento é bastante importante e por isso está sendo organizada com muito critério. “Eu acho que o julgamento de Trios Zebuínos a Campo pode gerar diversas situações positivas para as raças. Como o desenvolvimento dos bovinos depende de questões de interação genótipo-ambiente e nesse caso os animais são os que se sobressaem nos sistemas mais naturais, é possível, eventualmente, que surjam touros que se dão melhor nesses ambientes”, explica Josahkian.

A dinâmica do julgamento é bastante simples. Depois da fase pré-classificatória, que será feita nos currais, serão conhecidos os ‘TOP 6”, os seis trios considerados melhores e indicados para as finais de cada categoria, por raça e sexo. Na final, os “TOP 6” serão posicionados do 1º ao 6º lugar. Essa fase será conduzida individualmente pelos jurados, em sistema de julgamento pontuado para apuração dos resultados finais, em currais de frente para o  público. Na última etapa, dentro do mesmo esquema de pontuação, serão definidos os melhores indivíduos em cada categoria, para todas as raças. “Nós temos confiança de que será um julgamento tranquilo também por parte dos nossos jurados. Eles estão muito acostumados a lidar, no seu dia a dia, com o animal no campo. Os jurados da ABCZ são atuantes em modelos comerciais e têm um olhar clínico para enxergar o potencial dos animais nesses sistemas”, diz Josahkian. Pelos organizadores, em três dias de atividades, o público poderá conhecer os melhores zebuínos a campo da ExpoZebu 2016:

Leia reprotagem completa na revista ABCXZ, edição 88, páginas 106 a 108. http://issuu.com/revista_abcz/docs/abcz_88_bx

Fonte: ABCZ
Foto: Maurício Farias (ABCZ)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *